Total de visualizações de página

terça-feira, 21 de junho de 2011

Arroz com feijão

Antigamente o arroz com feijão era o prato mais consumido pelo brasileiro. Hoje em dia, com a modernidade e com a correria do cotidiano, esta combinação foi substiuída pelo fast-food e pelas comidas congeladas. Uma alimentação nada nutritiva, cheia de conservantes, gordura trans, açúcar simples e condimentos perigosos como o glutamato monossódico (condimento que realça o sabor destes alimentos e está associado com muitas doenças).

Juntos eles formam a proteína perfeita. Mais do que uma saborosa parceria, a combinação do arroz com feijão assegura um invejável arranjo de nutrientes. O que falta em um, o outro fornece e, assim, se completam. Os grãos de arroz contém metionina (que não contém no feijão) e os feijões lisina (que no arroz não contém), os quais são aminoácidos (ou seja, "pedacinhos" de proteína), que juntos formam uma proteína completa e de alto valor biológico.

Quando estão juntos, são muito mais eficientes na reparação de tecidos do organismo inteiro. Tal performance é rara de ver entre os vegetais, pois uma proteína completa só é encontrada nas carnes e no leite e seus derivados.

Na merenda escolar o feijão com arroz é muito bem aceito e consumido pelas crianças, sendo no almoço das creches ou na minestra da Educação Infantil e do Ensino Fundamental.

Mas lembre-se o feijão fica mais nutritivo se for temperado com temperos naturais: cebola, tempero verde, louro, alho, sal e pimenta do reino. Não use temperos prontos, pois estes contém o perigoso glutamato monossódico citado acima. Ah, também evite colocar bacon, calabresa, ou seja, os ingredientes da calórica feijoada (pé, orelha, rabo, etc), pois deste jeito o feijão deixa de ser o herói e torna-se o vilão.

Segue mais umas fotinhos do almoço na Creche Morada da Alegria.





Nenhum comentário:

Postar um comentário